Ideias fora do lugar e seus colóquios: insights para a análise das “interpretações do Brasil”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20336/rbs.783

Palavras-chave:

Roberto Schwarz, Ideias fora do lugar, Intérpretes do Brasil

Resumo

O presente artigo almeja revisitar Ideias fora do lugar, ensaio seminal de Roberto Schwarz, atento aos diálogos críticos fomentados em sua esteira. Almeja-se explorar o potencial heurístico dessa fatura para lidar com três ordens de problemas que revolvem a produção dos assim chamados intérpretes do Brasil: que aspectos concorreriam para a alegada identidade dessa tradição de pensamento? Em segundo lugar, admitida a enorme diversidade de âncoras explicativas mobilizadas nesse universo intelectual, o que dizer dos critérios e parâmetros ali acionados para descrever e compreender a sociedade brasileira? Por fim, a despeito de seu expresso interesse por fenômenos e problemas pertinentes ao Brasil, que alcance cognitivo poder-se-ia esperar de tais Interpretações?

Biografia do Autor

Sergio Barreira de Faria Tavolaro, Universidade de Brasília

Professor Associado do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB)

Referências

Arantes, Paulo. (1992). Sentimento da dialética na experiência intelectual brasileira. Paz e Terra.

Arruda, Maria A. (2019). Roberto Schwarz e a interpretação crítica do Brasil. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, (74), 27-32.

Bastos, Elide. (2002). Pensamento social da escola sociológica paulista. In S. Miceli (Org.), O que ler na ciência social brasileira: 1970-2002 (pp. 183-230). Sumaré/ANPOCS.

Bomfim, Manoel. (1993). A América Latina: males de origem. Topbooks.

Bosi, Alfredo. (1995). Origem e função das idéias em contextos de formação colonial. In Centro de Estudos Brasileiros/Embaixada do Brasil em Roma (Org.), Pensamento Brasileiro (pp. 17-31). Renso e Rean Mazzone Editori.

Botelho, André. (2010). Passado e futuro das interpretações do país. Tempo Social, 22(1), 47-66. https://doi.org/10.1590/S0103-20702010000100003

Botelho, André, & Schwarcz, Lília (Org.). (2009). Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. Cia. das Letras.

Brandão, Gildo. (2007). Linhagens do pensamento político brasileiro. Aderaldo & Rothschild Editores.

Candido, Antonio. (1993). Prefácio. In A. Candido, O discurso e a cidade (pp. 9-15). Duas Cidades.

Cardoso, Fernando H. (2013). Pensadores que inventaram o Brasil. Cia. das Letras.

Chakrabarty, Dipesh. (2000). Provincializing Europe: postcolonial thought and historical difference. Princeton University Press.

Coutinho, Carlos N. (1976). Cultura brasileira: um intimismo deslocado, à sombra do poder? Cadernos de Debate, (1), 65-67.

Chernilo, Daniel. (2011). The critique of methodological nationalism: theory and history. Thesis Eleven, 106(1), 98-117.

Cunha, Euclides. (2016). Os Sertões. Ubu Editora.

Donati, Pierpaolo. (2013). Relational sociology and the globalized society. In F. Dépelteau & C. Powell (Org.), Applying relational sociology: relations, networks, and society (pp. 1-24). Palgrave Macmillan. https://www.doi.org/10.1057/9781137407009_1

Eisenstadt, Shmuel. (2000). Multiple modernities. Daedalus, 129(1), 1-29.

Emirbayer, Mustafa. (1997). Manifesto for a relational sociology. American Journal of Sociology, 103(2), 281-317. https://doi.org/10.1086/231209

Faoro, Raymundo. (2001). Os donos do poder. Editora Globo.

Fernandes, Florestan. (2006). A revolução burguesa no Brasil. Editora Globo.

Franco, Maria Sylvia C. (1976). As idéias estão no lugar. Cadernos de Debate, (1), 61-64.

Freyre, Gilberto. (2000). Casa-grande & senzala. Record.

Furtado, Celso. (2009). Formação econômica do Brasil. Cia. das Letras.

Guerreiro Ramos, Alberto. (1996). A redução sociológica. Editora UFRJ.

Hall, Stuart. (2011). Da Diáspora. Editora UFMG .

Helayel, Karim, & Brasil Jr., Antônio. (2019). Roberto Schwarz e a sociologia paulista dos anos 1960. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, (74), 97-118.

Holanda, Sérgio B. (1994). Raízes do Brasil. José Olympio Editora.

Lage, Victor. (2016). Interpretations of Brazil, contemporary (de)formations [Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro]. https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.27613

Leal, Victor N. (2012). Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. Cia. das Letras.

Liedke, Enno. (2005). A Sociologia no Brasil: história, teorias e desafios. Sociologias, 7(14), 376-437. https://doi.org/10.1590/S1517-45222005000200014

Maia, João. (2011). Ao sul da teoria: a atualidade teórica do pensamento social brasileiro. Sociedade e Estado, 26(2), 71-94. https://doi.org/10.1590/S0102-69922011000200005

Maia, João. (2009). Pensamento brasileiro e Teoria Social: notas para uma agenda de pesquisa. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 24(71), 155-168. https://doi.org/10.1590/S0102-69092009000300011

Melo, Alfredo C. B. (2014). Pressupostos, salvo engano, de uma divergência silenciosa: Antonio Candido, Roberto Schwarz e a modernidade brasileira. Alea, 16(2), 403-420.

Mignolo, Walter. (2005). The idea of Latin America. Blackwell.

Nina Rodrigues, Raimundo. (1938). As raças humanas e a responsabilidade penal no Brasil. Editora Nacional.

Palti, Elías. (2014). O problema de “As ideias fora do lugar” revisitado: para além da “história das ideias na América Latina”. In J. M. Maia et al. (Org.), Ateliê do pensamento social: ideias em perspectiva global (pp. 57-84). Editora FGV.

Prado Jr., Caio. (2011). Formação do Brasil contemporâneo. Cia. das Letras.

Prado, Paulo. (2012). Retrato do Brasil. Cia. das Letras.

Ricupero, Bernardo. (2008). Da formação à forma. Ainda as “idéias fora do lugar”. Lua Nova, (73), 59-69. https://doi.org/10.1590/S0102-64452008000100003

Ricupero, Bernardo. (2013). O lugar das ideias: Roberto Schwarz e seus críticos. Sociologia & Antropologia, 3(6), 526-556. https://doi.org/10.1590/2238-38752013v368

Rodrigues, Lidiane. (2019). Leituras, leitores e lugares de Roberto Schwarz: nota de organizadora. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, (74), 17-26.

Rodrigues, Lidiane. (2011). Anatomia de tese: capitalismo, escravidão e marxismo em São Paulo; 8½ de Roberto. In R. Rodrigues, A produção social do marxismo universitário em São Paulo: mestres, discípulos e “um seminário” (1958-1978) [Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, pp. 210-254, pp. 452-506]. https://doi.org/10.11606/T.8.2012.tde-05072012-164401

Romero, Silvio. (1949). História da Literatura Brasileira (Tomo Primeiro). Livraria José Olympio.

Rouanet, Sérgio. (1994). Idéias importadas: um falso problema? Cadernos do IPRI, (15), 31-40.

Sartre, Jean-Paul. (1966). Marxismo e existencialismo. In J-P. Sartre, Questão de Método (pp. 9-33). Difusão Européia do Livro.

Schmidt, Volker. (2012). Conceptualizing global modernity. A tentative sketcth [Working Paper Series, National University of Singapore, pp. 1-52].

Schwarcz, Lilia. (1993). O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. Cia das Letras.

Schwarcz, Lília, & Botelho, André. (2008). “Ao vencedor as batatas” 30 anos depois: crítica da cultura e processo social. Entrevista com Roberto Schwarz. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 23(67), 147-160. https://doi.org/10.1590/S0102-69092008000200011

Schwarz, Roberto. (2012). Sobre Adorno (Entrevista). In R. Schwarz, Martinha versus Lucrécia: ensaios e entrevistas. Cia. das Letras.

Schwarz, Roberto. (1999). Sequências brasileiras. Cia. das Letras.

Schwarz, Roberto. (1998). Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. Duas Cidades.

Schwarz, Roberto. (1987). Que horas são? Ensaios. Cia. das Letras.

Schwarz, Roberto. (1977). Ao vencedor as batatas. Duas Cidades.

Schwarz, Roberto. (1973). Idéias fora do lugar. Estudos CEBRAP, 5, 151-161.

Tavolaro, Sergio B. F. (2021). Imagens contra-hegemônicas da modernidade: uma visada sociológica relacional. In F. Dépelteau & F. Vandenberghe (Org.), Sociologia Relacional (pp. 267-301). Ateliê das Humanidades Editorial.

Tavolaro, Sergio B. F. (2017). Retratos não-modelares da modernidade: hegemonia e contra-hegemonia no pensamento brasileiro. Civitas, 17(3), 115-141. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2017.3.26580

Tavolaro, Sergio B. F. (2014). A tese da singularidade brasileira revisitada: desafios teóricos contemporâneos. Dados: Revista de Ciências Sociais, 57(3), 633-673. https://doi.org/10.1590/00115258201420

Tavolaro, Sergio B. F. (2005). Existe uma modernidade brasileira? Reflexões em torno de um dilema sociológico brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 20(59), 5-22. https://doi.org/10.1590/S0102-69092005000300001

Torres, Alberto. (1978). O problema nacional: introdução a um programa de organização nacional. Companhia Editora Nacional/MEC.

Ventura, Roberto. (1991). Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil, 1870-1914. Cia. das Letras.

Vianna, Oliveira. (1956). Evolução do Povo Brasileiro. Livraria José Olympio Editora.

Waizbort, Leopoldo. (2002). Influências e invenção na sociologia brasileira (Desiguais porém combinados). In S. Miceli (Org.), O que ler na ciência social brasileira (pp. 85-174). Anpocs.

Wimmer, Andreas, & Schiller, Nina. (2002). Methodological nationalism and beyond: nation-state building, migration and the social sciences. Global Networks, 2(4), 301-334. https://doi.org/10.1111/1471-0374.00043

Downloads

Publicado

31-12-2021

Edição

Seção

Artigos