Interdisciplinaridade ambiental e democracia pluralista: uma reflexão a partir do conceito de agonismo de Chantal Mouffe

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20336/rbs.669

Palavras-chave:

discurso, interdisciplinaridade, questões ambientais, hegemonia, democracia pluralista

Resumo

O presente artigo propõe uma nova definição ao conceito de interdisciplinaridade, especialmente no âmbito das ciências ambientais no Brasil, com vistas a demonstrar que a tentativa de dar sentido e significado ao termo está totalmente aberta e em constante disputa. Assim, este texto não se exime de definir a interdisciplinaridade ambiental nos termos de uma democracia pluralista, conforme exposta por Chantal Mouffe em sua teoria do discurso, ao conceituar o jogo político das sociedades democráticas a partir do conceito de agonismo. Esse conceito pressupõe a luta adversarial, sem a possibilidade de consensos como pano de fundo de toda e qualquer trama discursiva. Nessa sequência, se é factível definir a interdisciplinaridade como um campo político e, portanto, discursivo, pode-se pensar em defini-la como uma democracia pluralista, uma vez que determinado espaço que se diz interdisciplinar, afirma-se, é formado por diversas e distintas disciplinas (discursos), as quais se inter-relacionam por meio de tensões agônicas, e até mesmo antagônicas, em prol da hegemonização de suas demandas.

Biografia do Autor

Gabriel Bandeira Coelho, Instituto Federal Catarinense

Doutor em Sociologia e Professor substituto de Sociologia Geral e Sociologia da Educação no IFC.

Jalcione Almeida, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutor em Sociologia pela Universidade de Paris X, Professor convidado dos Programas de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural e em Sociologia da UFRGS.

Referências

Almeida, Jalcione. (2016). Pesquisa social sobre ambiente: misturando sujeitos e objetos híbridos. In J. Almeida (Org.), Conflitos ambientais e controvérsias em ciência e tecnologia (pp. 11-26). Editora da UFRGS.

Beck, Ulrich. (2015). A sociedade de risco mundial: em busca da segurança perdida. Editora 70.

Bourdieu, Pierre. (2013). O campo científico. In R. Ortiz (Org.), A sociologia de Pierre Bourdieu (pp. 112-143). Olho d’Água.

Bursztyn, Marcel. (2006). A institucionalização da interdisciplinaridade e a universidade brasileira. Liinc em Revista, 1(1), 38-53. https://doi.org/10.18617/liinc.v1i1.188

Capra, Fritjof, & Luisi, Pier L. (2014). A visão sistêmica da vida: uma concepção unificada e suas implicações filosóficas, políticas, sociais e econômicas. Cultrix.

Casanova, Pablo G. (2006). As novas ciências e as humanidades: da academia à política. Boitempo.

Coelho, Gabriel B. (2020). Lutas por hegemonia: articulações discursivas na sociologia ambiental nos Programas de Pós-Graduação Multidisciplinares de excelência em Ciências Ambientais. [Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. Disponível em https://lume.ufrgs.br/handle/10183/213009

Coelho, Gabriel B. (2018, out.). A sociologia ambiental e seu espaço político-epistemológico na pesquisa multidisciplinar em ciências ambientais no Brasil. In F. I. Campos (Org.). IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente. Simpósio realizado no III Congresso Nacional de Pesquisa, Ensino e Extensão – CIPEEX, Anápolis, 2018. Disponível em http://anais.unievangelica.edu.br/index.php/CIPEEX/article/view/3088

Coelho, Gabriel B. (2015). Capes e o fomento aos Programas de Pós-Graduação Interdisciplinares: um olhar a partir dos Estudos Sociais da Ciência. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pelotas.

Cruz, Elisabete, & Costa, Fernando A. (2015). Formas e manifestações da transdisciplinaridade na produção científico-académica em Portugal. Revista Brasileira de Educação, 20(60), 195-213. https://doi.org/10.1590/S1413-24782015206010

Da Silva, Luis G. T. et al. (2017). A teoria do discurso de Ernesto Laclau como instrumento teórico da compreensão dos fenômenos sociais políticos e sociais. In L. G. T. da Silva et al. (Orgs.), Pós-Estruturalismo e teoria do discurso: a obra de Ernesto Laclau a partir de abordagens empíricas e teóricas (pp. 15-22). CRV.

Dowbor, Ladislau. (2017). A era do capital improdutivo: a nova arquitetura do poder sob dominação financeira, sequestro da democracia e destruição do planeta. Autonomia Literária.

Etges, Norberto J. (2011). Ciência, interdisciplinaridade e educação. In A. P. Jantsch & L. Bianchetti (Orgs.), Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. Vozes.

Joly, Carlos A. (2011). Apresentação à edição Brasileira. In E. F. Moran, Meio ambiente e ciências sociais: interações homem-ambiente e sustentabilidade (pp. 11-14). Editora Senac.

Kozicki, Katya. (2015). Prefácio à edição brasileira. In C. Mouffe, Sobre o político (pp. vii-xviii). WMF Martins Fontes.

Laclau, Ernesto. (2011). Emancipação e diferença. EDUERJ.

Leff, Enrique. (2011). Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Olhar de professor, 14(2), 309-335. https://doi.org/10.5212/OlharProfr.v.14i2.0007

Lenoir, Timothy. (2003). Instituindo a ciência: a produção cultural das disciplinas científicas. Unisinos.

Maranhão, Tatiana P. A. (2010). Produção interdisciplinar de conhecimento científico no Brasil: temas ambientais. Sociedade & Estado, 25(3), 561-580. https://doi.org/10.1590/S0102-69922010000300008

Mendonça, Daniel. (2010). Teorizando o agonismo: crítica a um modelo incompleto. Sociedade & Estado, 25(3), 479-493. https://doi.org/10.1590/S0102-69922010000300004

Moran, Emílio F. (2011). Meio ambiente e ciências sociais: interações homem-ambiente e sustentabilidade. Editora Senac.

Morin, Edgar. (2006). Abertura. In G. Castro, E. A. Carvalho & M. C. Almeida (Orgs.), Ensaios de complexidade (pp. 11-12). Sulina.

Mouffe, Chantal. (2018). Por un populismo de izquierda. Siglo XXI.

Mouffe, Chantal. (2015). Sobre o político. WMF Martins Fontes.

Mouffe, Chantal. (2005). Por um modelo agonístico de democracia. Revista de Sociologia Política, 25, 11-23.

ONU Brasil. A ONU e a população mundial. NaçõesUnidas.org. Acessado em 15 set. 2018

em https://nacoesunidas.org/acao/populacao-mundial/

Pombo, Olga. (2006). Práticas interdisciplinares. Sociologias, 8(15), 208-249. https://doi.org/10.1590/S1517-45222006000100008

Raynaut, Claude. (2011). Interdisciplinaridade: mundo contemporâneo, complexidade e desafios à produção e à aplicação de conhecimentos. In A. Philippi Jr & A. J. Silva Neto, Interdisciplinaridade em ciência, tecnologia e inovação (pp. 69-105). Manole.

Rocha, Paulo E. D. (2003). Trajetórias e perspectivas da interdisciplinaridade ambiental na pós-graduação brasileira. Ambiente & Sociedade, 6(2), 155-182. https://doi.org/10.1590/S1414-753X2003000300010

Rodrigues, Leo P. (2017). A impossibilidade da interdisciplinaridade: apontamentos para alternativas socioconstrutivistas. Ciências Sociais Unisinos, 53(2), 300-308. https://doi.org/10.4013/csu.2017.53.2.14

Rodrigues, Leo P. (2007). Obstáculos epistemológicos e sociológicos à interdisciplinaridade. In L. P. Rodrigues (org.), Sociedade, conhecimento e interdisciplinaridade: abordagens contemporâneas (v. 1, p. 19-46). Universidade de Passo Fundo.

Rodrigues, Leo P., & Coelho, Gabriel B. (2016). A teoria do discurso como possibilidade de compreensão do campo curricular nesta contemporaneidade. In E. S. Leite, G. C. Massau, & W. H. G. Soto (orgs.), Teorias e práticas sociológicas (v. 1, pp. 29-47). Max Limonad.

Santos, Boaventura de S. (2007). Um discurso sobre as ciências. Edições Afrontamento.

Trindade, Hélgio. (2018). “Disciplinarização” e construção institucional da sociologia nos países fundadores e sua reprodução na América Latina. Sociologias, 20(47), 210-256. https://doi.org/10.1590/15174522-020004707

Vinck, Dominique. (2014). Ciencias y sociedad: sociologia del trabajo científico. Gedisa.

Wallerstein, Immanuel. (1996). Para abrir as ciências sociais. Cortez.

Downloads

Publicado

31-12-2021

Edição

Seção

Artigos