Existe um autoritarismo brasileiro?

Uma interpretação alternativa à tese da singularidade política nacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20336/rbs.692

Palavras-chave:

autoritarismo brasileiro, modernidade política, nacionalismo metodológico

Resumo

Este artigo tem como objetivo oferecer uma interpretação alternativa à tese do autoritarismo brasileiro. Para tanto, apresentamos uma crítica de três obstáculos epistemológicos centrais à noção de singularidade política brasileira: nacionalismo metodológico, idealização da modernidade política e teleologia. Em seguida, oferecemos uma interpretação alternativa para o autoritarismo como fenômeno constitutivo da modernidade política global. Nesse sentido, mobilizamos a teoria social sistêmica e esboçamos um diálogo com uma abordagem da ciência política brasileira que também busca romper com estes obstáculos epistemológicos. Argumentamos que as variações do autoritarismo ao longo da história brasileira não são resultantes da singularidade política nacional, mas sim variantes distintas do autoritarismo moderno.

Biografia do Autor

Roberto Dutra, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Doutor em Sociologia, professor associado do Laboratório de Gestão e Políticas Públicas (LGPP), Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF)

Marcos Abraão Fernandes Ribeiro, Instituto Federal Fluminense

Doutor em Sociologia Política pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, professor de Sociologia do Instituto Federal Fluminense - IFF campus Campos Centro

Referências

Ahlers, Anna L., & Stichweh, Rudolf. (2019). The bipolarity of democracy and authoritarianism: value patterns, inclusion roles and forms of internal differentiation of political systems. Sociologia e Antropologia, 9 (3), 819-846.

Bachur, João Paulo. (2020). A performatividade da exclusão e as lutas por inclusão: questões distributivas a partir da teoria dos sistemas sociais. Sociologia e Antropologia, 10 (1), 29-153.

Bachur, João Paulo. (2013). Kapitalismus und funktionale Differenzierung. Eine kritische Rekonstruktion. Nomos.

Beck, Ulrich. (2005). The cosmopolitan state: redefining power in the global age. International Journal of Politics, Culture, and Society, 18 (3/4), 143-59. www.jstor.org/stable/20059680.

Brito, Leonardo Octávio B. de. (2015). Brasil: oriente político? Uma discussão sobre o patrimonialismo estatista. [Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo]. https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8131/tde-09102015-123226/pt-br.php

Botelho, André. (2019). O retorno da sociedade. Política e as interpretações do Brasil. Petrópolis, Vozes.

Cadenas, Hugo, & Mascareño, Aldo. (2020). Lineamientos para una sociología evolutiva de la diferenciación funcional em América Latina. Sociologia & Antropologia, 10 (1), 75-98.

Chaloub, Jorge, & Lima, Pedro. (2018). Interpretações do Brasil contemporâneo. Mediações, 23 (2), 14-39.

Chernilo, Daniel. (2011). The critique of methodological nationalism: Theory and history. Thesis Eleven, 106 (1), 98–117.

Dutra, Roberto. (2020). Por uma sociologia sistêmica pós-colonial das diferenças no interior da sociedade mundial. Sociedade e Estado, 35 (1), 259-286.

Dutra, Roberto. (2016). Diferenciação funcional e a sociologia da modernidade brasileira. Política & Sociedade, 15 (34), 77-109.

Faoro, Raymundo. (1993). A aventura liberal numa ordem patrimonialista. Revista USP, 17, 14-29. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i17p14-29

Faoro, Raymundo. (2008). Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. Globo.

Habermas, Jürgen. (2001). The Postnational Constellation. Polity Press.

Leão Rêgo, Valquíria. (2002). A utopia federalista: estudo sobre o pensamento político de Tavares Bastos. EdUFAL.

Lynch, Christian Edward C. (2016). Cartografia do pensamento político brasileiro. Revista Brasileira de Ciência Política, 19, 75-119. https://doi.org/10.1590/0103-335220161904

Lynch, Christian Edward C. (2019). O pensamento político brasileiro: temas, problemas e perspectivas. In Christian Lynch et al. (Org.) Pensamento político brasileiro: temas, problemas e perspectivas (pp.9-36). Appris.

Luhmann, Niklas. (2002). Die Politik der Gesellschaft. Suhrkamp.

Luhmann, Niklas. (1997). Die Gesellschaft der Gesellschaft (vols. 1 e 2.). Suhrkamp.

Luhmann, Niklas. (1995). Kausalitätim Süden. Soziale Systeme, 1 (1), 7-28.

Luhmann, Niklas. (1990). The Future of Democracy. Thesis Eleven, 26 (1), 46–53.

Luhmann, Niklas. (1981a). Machtkreislauf und Recht in Demokratien. Zeitschrift für Rechtssoziologie, 2 (2), 158-167. https://doi.org/10.1515/zfrs-1981-0202

Luhmann, Niklas. (1981b). Politische Theorie im Wohlfahrtsstaat. Olzog.

Maquiavel, Nicolau. (1996). O príncipe. (Tradução de Maria Júlia Goldwasser. 2. ed.). Martins Fontes. (Original publicado em 1532)

Moraes Filho, Evaristo de (2001). As ideias fundamentais de Tavares Bastos. Topbooks.

Neves, Marcelo. (2008). Verfassung und Öffentlichkeit. Zwischen Systemdifferenzierung, Inklusion und Anerkennung. Der Staat, 47 (4), 477-509. https://doi.org/10.3790/staa.47.4.477

Neves, Marcelo. (2006). Die Staaten im Zentrum und die Staaten an der Peripherie. Einige probleme mit Niklas Luhmanns Auffassung von den Staaten der Weltgesellschaft. Sozialesysteme, 12 (2), 247-273.

Parsons, Talcott. (1971). The system of modern societies. Prentice-Hall.

Quijano, Aníbal, & Wallerstein, Immanuel. (1992). Americanity as a concept, or the Americas in the modern world-system. International Social Science Journal, 44 (4), 549-557.

Ribeiro, Marcos A. (2010) Autoritarismo e democracia no pensamento político de Raymundo Faoro, Simon Schwartzman e Fernando Henrique Cardoso. [Dissertação de Mestrado em Sociologia Política, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro]. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bps-488

Ribeiro, Marcos A. & Dutra, Roberto. (2020) Neopatrimonialismo, diferenciação funcional e a relação centro-periferia revisitada. Política & Sociedade, 19 (46), 387-422.

Ribeiro, Marcos A. & Mesquita, Wania A. B. (2019) É possível romper com a herança ibérica? Uma releitura da obra de Raymundo Faoro. Ciências Sociais Unisinos, 55 (1):74-85.

Rostow, Walt W. (1974). Etapas do desenvolvimento econômico. Zahar.

Saavedra, Marco E. (2020). El concepto sistémico de lo político. Un esbozo. Sociologia e Antropologia, 10 (1), 99-128.

Santos, Wanderley G. (2017), A democracia impedida:o Brasil no século XXI. Rio de Janeiro: FGV.

Schneider, Wolfgang L. (2010). Systemtheorie, hermeneutische Tradition und die Theorie sozialer Differenzierung. In John René et al. (org.). Die Methodologien des Systems: wiekommt man zum Fall und wiedahinter? (p. 203-224). VS Verlag.

Schwarcz, Lilia M. (2019). Sobre o autoritarismo brasileiro. Companhia das Letras.

Schwartzman, Simon. (1988). Bases do autoritarismo brasileiro. (2 ed.). Campus.

Stichweh, Rudolf. (2005). Inklusion in Funktionssysteme der modernen Gesellschaft. In R. Stichweh. Inklusion und Exklusion: Studien zur Gesellschaftstheorie. (pp. 17-46). Transcript Verlag.

Tavares Bastos, Aureliano C. (1975). Cartas do Solitário. Companhia Editora Nacional.

Tavares Bastos, Aureliano C. (1976). Os males do presente e as esperanças do futuro. Companhia Editora Nacional.

Tavolaro, Sérgio. (2014). A tese da singularidade brasileira revisitada: desafios teóricos contemporâneos. Dados – Revista de Ciências Sociais, 57 (3), 633-73. https://doi.org/10.1590/00115258201420

Werneck Vianna, Luiz. (1999). Weber a interpretação do Brasil. Novos Estudos CEBRAP, 1 (53), 33-47.

Werneck Vianna, Luiz. (2004). Americanistas e iberistas: a polêmica de Oliveira Vianna com Tavares Bastos. In L. Werneck Vianna. A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil. Revan.

Zhiyuan, Cui. (2009). Inovação na política. In Brasil, Presidência da República. Seminário instituições para inovação. Reflexões sobre uma agenda de desenvolvimento para longo prazo. Rio de Janeiro, 6 e 7 de agosto de 2008. (p. 177-182). [Transcrição de comunicação publicada]. Presidência da República. http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/publicacoes-oficiais/catalogo/lula/instituicao-para-inovacoes-2009/@@download/file/Instituicao%20para%20Inovacoes%202009.pdf

Downloads

Publicado

2021-09-01