Noturno do Brasil

Fernando Henrique Cardoso entre a sociologia política e a ciência política

Autores

  • Karim Abdalla Helayel Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Fernando Henrique Cardoso, Paula Beiguelman, Wanderley Guilherme dos Santos, ciência política, sociologia política

Resumo

Procurarei aquilatar a inserção de Fernando Henrique Cardoso na ciência política entre os anos 1960-1970, tomando como ponto de partida sua aprovação no concurso da Cadeira de Política da USP, realizado em 1968. Levarei em consideração a relação da perspectiva sociológica histórico-comparada de Cardoso, desenvolvida em seu exílio, com o contexto de institucionalização da ciência política no Brasil, contrastando-a com as formulações de Paula Beiguelman e Wanderley Guilherme dos Santos. A hipótese discutida é a de que a mudança disciplinar de Cardoso, da sociologia à ciência política, além de marcar seu relativo afastamento em relação à Cadeira de Sociologia I da USP, foi efetuada sem deixar de lado uma perspectiva mais próxima do que entendemos como sociologia política. Ainda que Cardoso flerte, nos anos 1970, com uma perspectiva institucionalista, sua vinculação à ciência política se encontra próxima da sociologia política de orientação histórica e comparativa, que se torna perdedora com o predomínio do institucionalismo.

Biografia do Autor

Karim Abdalla Helayel, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Ciências Humanas (Sociologia) pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGSA/UFRJ)

Referências

Adams, Julia, Clemens, Elisabeth, & Orloff, Ann S. (2005). Remaking modernity: politics, history, and sociology. Duke University Press.

Barbosa, Carla C. (2016). Aziz Simão e Paula Beiguelman: uma contribuição à sociologia política brasileira [Dissertação de Mestrado em Sociologia, Universidade Federal Fluminense]. Não publicada.

Beiguelman, Paula. (1976). Formação política do Brasil. Pioneira.

Beiguelman, Paula. (1978). A formação do povo no complexo cafeeiro: aspectos políticos. Pioneira.

Belinelli, Leonardo. (2019). Marxismo como crítica da ideologia: um estudo sobre os pensamentos de Fernando Henrique Cardoso e Roberto Schwarz [Tese de Doutorado em Ciência Política, Universidade de São Paulo]. https://doi.org/10.11606/T.8.2019.tde-09082019-112520

Botelho, André. (2019). O retorno da sociedade: política e interpretações do Brasil. Vozes.

Campello de Souza, Maria do C. (1976). Estado e partidos políticos no Brasil (1930 a 1964). Alfa-Omega.

Cardoso, Fernando H. (1975a). Autoritarismo e democratização. Paz e Terra.

Cardoso, Fernando H. (1975b). Partidos e deputados em São Paulo: passado e presente. In: B. Lamounier & F. H. Cardoso (orgs.), Os partidos e as eleições no Brasil. Paz e Terra.

Cardoso. Fernando H. (1977). O modelo político brasileiro e outros ensaios. Difel.

Cardoso, Fernando H. (1978). Política e desenvolvimento em sociedades dependentes. Zahar Editores.

Cardoso, Fernando H., & Faletto, Enzo. (2004). Dependência e desenvolvimento na América Latina. Civilização Brasileira.

Cazes, Pedro. (2011). Estado e sociedade em Maria Sylvia de Carvalho Franco e Paula Beiguelman [Pôster]. In XV Congresso Brasileiro de Sociologia.

Cotrim, Ivan. (2001). O capitalismo dependente em Fernando Henrique Cardoso [Dissertação de Mestrado em Ciência Política, Universidade Estadual de Campinas]. http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/281743

Delanty, Gerard, & Isin, Engin (orgs). (2003). Handbook of historical sociology. Sage.

Feres Jr., João. (2000). Aprendendo com o erro dos outros: o que a história da ciência política americana tem para nos contar. Revista de Sociologia e Política, (15), 97-110. https://doi.org/10.1590/S0104-44782000000200007

Forjaz, Maria C. (1997). A emergência da ciência política no Brasil: aspectos institucionais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 12(35), 1-22. https://doi.org/10.1590/S0102-69091997000300007

Furtado, Celso. (1979). Brasil: da República Oligárquica ao Estado Militar. In C. Furtado (org.), Brasil: tempos modernos. Paz e Terra.

Garcia Jr., Afrânio. (2004). A dependência da política: Fernando Henrique Cardoso e a sociologia no Brasil. Tempo Social, 16(1), 285-300. https://doi.org/10.1590/S0103-20702004000100014

Giordano, Verónica. (2014). La sociología histórica y la sociología latinoamericana. La comparación en nuestras ciencias sociales. Revista de la Red Intercátedras de América Latina Contemporánea (Segunda Época), 1(1), 14-29.

Gonçalves, Rodrigo S. (2018). Teoria e prática em Fernando Henrique Cardoso: da nacionalização do marxismo ao pragmatismo político (1958-1994) [Tese de Doutorado em Ciência Política, Universidade de São Paulo]. https://doi.org/10.11606/T.8.2018.tde-29102018-161356

Helayel, Karim. Um sociólogo na periferia do capitalismo: a sociologia histórico-comparada de Fernando Henrique Cardoso. [Tese de Doutorado em Sociologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro].

Jaguaribe, Hélio. (1979). Brasil: Estabilidade Social pelo Colonial-Fascismo? In C. Furtado (org.), Brasil: tempos modernos (pp. 49-76). Paz e Terra.

Keinert, Fábio C., & Silva, Dimitri P. (2010). A gênese da ciência política brasileira. Tempo Social, 22(1), 79-98. https://doi.org/10.1590/S0103-20702010000100005

Lahuerta, Milton. (1999). Intelectuais e transição: entre a política e a profissão. [Tese de Doutorado em Ciência Política, Universidade de São Paulo]. https://repositorio.usp.br/item/001070671

Lamounier, Bolívar. (1982). A ciência política no Brasil: roteiro para um balanço crítico. In B. Lamounier (org.), A ciência política nos anos 80 (pp. 15-46). Editora Universidade de Brasília.

Lamounier, Bolívar, & Cardoso, Fernando H. (1978). A Bibliografia de Ciência Política Sobre o Brasil (1949-1974). DADOS, 18, 3-32.

Lamounier, Bolívar, & Cardoso, Fernando H. (orgs.). (1975). Os partidos e as eleições no Brasil. Paz e Terra.

Leme, Alessandro. (2015). La centralidad de la política para pensar lo económico en Fernando Henrique Cardoso. Revista Mexicana de Sociología, 77(3), 357-384.

Leoni, Brigitte. (1997). Fernando Henrique Cardoso: o Brasil do possível. Nova Fronteira.

Lessa, Renato. (2011). Da interpretação à ciência: por uma história filosófica do conhecimento político no Brasil. Lua Nova, (82), 17-60.

Lima, Pedro L. (2015). As desventuras do marxismo: Fernando Henrique Cardoso, antagonismo e reconciliação (1955-1968). [Tese de Doutorado em Ciência Política, Universidade do Estado do Rio de Janeiro].

Limongi, Fernando, Tavares de Almeida, Maria H., & Freitas, Andrea. (2016). Da sociologia política ao (neo)institucionalismo: 30 anos que mudaram a ciência política no Brasil. In L. Avritzer et al. (org.), A ciência política no Brasil: 1960-2015. FGV Editora. [edição eBook Kindle]

Lynch, Christian. (2020a). Um pensador da democracia: a ciência política de Wanderley Guilherme dos Santos. DADOS, 63(1), 1-46. https://doi.org/10.1590/001152582020002

Lynch, Christian (2020b). Um pensador da democracia: Wanderley Guilherme dos Santos – 1935-2019. In M. S. Moreira (org.), O pensamento político de Wanderley Guilherme dos Santos. Appris.

Lynch, Christian. (2017). Entre a ‘velha’ e a ‘nova’ ciência política: continuidade e renovação acadêmica na primeira década da revista DADOS (1966-1976). DADOS, 60(3), 663-702. https://doi.org/10.1590/001152582017132

Lynch, Christian. (2016). Cartografia do pensamento político brasileiro: conceito, história, abordagens. Revista Brasileira de Ciência Política, (19), 75-119. https://doi.org/10.1590/0103-335220161904

Marenco, André. (2016). Cinco décadas de ciência política no Brasil: institucionalização e pluralismo. In L. Avritzer et al. (org.), A ciência política no Brasil: 1960-2015. FGV Editora. [edição eBook Kindle]

Moreira, Marcelo S. (2020). O pensamento político de Wanderley Guilherme dos Santos. Appris.

Moreira, Marcelo S. (2013). Raízes intelectuais da democracia brasileira: linguagens políticas e a formação da república. [Tese de Doutorado em Ciência Política, Universidade Federal de Minas Gerais].

Pécaut, Daniel. (1990). Os intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. Editora Ática.

Reis, Fábio W. (2016). Huis clos no Chile e ciência política no Brasil. In L. Avritzer et al. (org., A ciência política no Brasil: 1960-2015. FGV Editora. [edição eBook Kindle]

Ribeiro, Marcos A. (2010). O patrimonialismo na sociologia de Fernando Henrique Cardoso e o atraso brasileiro. CSOnline, 4(9), 179-205.

Sallum Jr., Brasílio. (2002). Notas sobre o surgimento da Sociologia Política em São Paulo. Política & Sociedade, (1), 73-86.

Santos, Wanderley G. (2003). O cálculo do conflito: estabilidade e crise na política brasileira. Editora UFMG; IUPERJ.

Silva, Dimitri P. (2008). Da política à ciência política, da ciência política à política: a trajetória acadêmica de Paula Beiguelman (1949-1969). [Dissertação de Mestrado em Sociologia, Universidade de São Paulo]. https://repositorio.usp.br/item/002259139

Skocpol, Theda (org). (1984). Vision and method in Historical Sociology. Cambridge University Press.

Smith, Dennis. (1991). The rise of Historical Sociology. Temple University Press.

Sorj, Bernardo. (2001). A construção intelectual do Brasil contemporâneo. Jorge Zahar.

Spirandelli, Claudinei. (2008). Trajetórias intelectuais: professoras do Curso de Ciências Sociais da FFCL-USP (1934-1969). [Tese de Doutorado em Sociologia, Universidade de São Paulo]. https://doi.org/10.11606/T.8.2009.tde-18082009-122601

Villegas, Miguel Ángel B. (2014). El análisis comparativo: algunos aportes latinoamericanos en la segunda mitad del siglo XX. Revista Mexicana de Ciencias Políticas y Sociales, LIX(221), 145-174.

Downloads

Publicado

06/26/2022